Copyright © Acho que preciso disso...
Design by Dzignine
7 de setembro de 2014

Chique mesmo é ser feliz!

No post anterior eu havia falado sobre um convite que havia recebido e que me chamou a atenção pelo conjunto de coisas interessantes e diferentes reunidas em um só lugar. Fui conferir e simplesmente amei.
Ambiente dez, gente bonita e descolada (sem frescuras), roupas para todos os gostos e bolsos. Para quem se liga em estilo, inúmeras opções. Para quem é adepto a marcas famosas, deu pra fazer a festa. Peças realmente com o preço muito em conta. 
Não posso de deixar de destacar o atendimento impecável e a energia deliciosa daquele lugar. Moisés e Aline simplesmente arrasaram. Difícil você encontrar um ambiente em que todos os envolvidos, direta ou indiretamente, estejam com um sorriso no rosto. Isso faz toda a diferença.
Esmalteria Licor: grata surpresa.

3 de setembro de 2014

Brechá

Recebi um convite muito diferente e resolvi compartilhar aqui. Juntar brechó + drinks + embelezamento e com um DJ de upgrade? Achei interessante a ideia da Aline Guedes e com certeza vou conferir.  Como adoro coisas criativas e descoladas, deixo aí o convite.

11 de julho de 2014

Mostrar o que o Brasil tem de melhor

Aplaudir pôr do sol, abraçar... Veja o que surpreendeu os estrangeiros

Turistas que vieram para a Copa listam o que acharam mais surpreendente.
Pão de queijo, compras parceladas e falta de pontualidade foram citados.


O chileno Richard, o americano Joe, a estoniana Elsa e o suíço Lukas Bärtschi (Foto: Arquivo pessoal)


O americano Joe Bauman, que veio para a Copa do Mundo no Brasil, achou estranho ver que todo mundo colocava algo que parecia areia na comida. Foi assim que ele descobriu a farofa e virou adepto. "Comecei a colocar farofa em tudo", conta ele, que também ficou surpreso com as paisagens naturais, a obrigatoriedade de votar nas eleições e o interesse das brasileiras pelos gringos.

O G1 perguntou a Joe e a outros 11 estrangeiros que visitaram o Brasil durante o Mundial o que eles acharam mais curioso ou diferente aqui em relação a seus países de origem. As respostas foram variadas, mas um ponto se repetiu em quase todos os depoimentos: a surpresa positiva com o jeito alegre e receptivo do povo. Confira a seguir o que os turistas responderam:
4 de maio de 2014

Uma pitada de doçura francesa

Em meio ao caos televisivo, noticiários quase apocalípticos, reality shows de toda espécie, histórias cuja trilha sonora são feitas à base de disparo de armas, eis que surge um mimo. De tão inocente e delicado, o video parece um poema. É o delicioso filme francês "O pequeno Nicolau" (Le Petit Nicolas).
A história, narrada em primeira pessoa, fala sobre o jovem Nicolau (Maxime Godart), criança que leva uma vida tranquila, sendo amado por seus pais e com diversos amigos, com os quais se diverte um bocado. Um dia ele surpreende uma conversa entre os pais, a qual faz com que acredite que sua mãe está grávida. Ele logo entra em pânico, pois acredita que assim que o bebê nascer ele não mais receberá atenção e será abandonado na floresta, assim como ocorre nas histórias do pequeno Poucet (Polegar), de Perrault.



Adaptação das histórias infantis de René Goscinny e Jean-Jacques Sempé. René Goscinny criou o famoso personagem ASTERIX. Um filme simplesmente delicioso.
12 de março de 2014

DEPOIS DOS 40

Lí este texto ontem e achei tao lindo que não resisti à tentação de compartilhar com as pessoas que lêem o blog. Acredito que todas as mulheres se identificarão, mesmo as que ainda não estão perto dos 40, pois a energia contidas nas palavras demonstra o poder e a garra do que as espera ao chegar lá.
Para as que já chegaram e mesmo as que já passaram, com certeza saberão com conhecimento de causa do que está sendo dito. O texto a seguir por sí só já seria lindo pelo conteúdo, mas ganhou um plus que o deixou mais delicioso: foi escrito por um homem.
Bom, aí está, de Fabricio Carpinejar, texto publicado orginalmente na Revista Isto É Gente - Março de 2014 p.50.

DEPOIS DOS 40

Depois dos 40 anos, o pensamento feminino muda, desembaraça.
O sexo não é mais performance, exaustão, é fazer o que se gosta e do jeito que gosta. É aproveitar dez minutos com a intensidade de uma noite inteira, é reconhecer o rosto do próprio desejo no primeiro suspiro, é optar pela submissão por puro prazer, sem entrar na neurose da disputa ou do controle.
A mulher de 40 não diminui o ritmo da intimidade. Pode ler um livro com a intensidade de uma transa. Pode assistir um filme com a intensidade de uma transa. Pode conversar com a intensidade de uma transa. Ela não tem um momento para a sensualidade, a sensualidade é todo momento.Tomar o café da manhã não é apenas um desjejum, tem a sua identidade, o seu ritual, um refinamento da história de seus sabores. Tomar o café da manhã com uma mulher de 40 anos é participar de sua memória, de suas escolhas.Ela não precisa mais provar nada. Já sofreu separações, e tem consciência de que suporta o sofrimento. Já superou dissidências familiares, e tem consciência de que a oposição é provisória. Já recebeu fora, deu fora, entende que o amor é pontualidade e que não deve decidir pelo outro ou amar pelos dois.A mulher de 40 anos, cansada das aparências, cometerá excessos perfeitos. É mais louca do que a loucura porque não se recrimina de véspera. É ainda mais sábia do que a sabedoria porque não guarda culpa para o dia seguinte.A beleza se torna também um estado de espírito, um brilho nos olhos, o temperamento. A beleza é resultado da elegância das ideias, não somente do corpo e dos traços físicos.Encontrou a suavidade dentro da serenidade. A suavidade que é segurança apaixonada, confiança curiosa.O riso não é mais bobo, mas atento e misterioso, demonstrando a glória de estar inteira para acolher a alegria improvisada, longe da idealização, dentro das possibilidades.Não existe roteiro a ser cumprido, mapa de intenções e requisitos.Há a leveza de não explicar mais a vida. A leveza de perguntar para se descobrir diferente, em vez de questionar para confirmar expectativas.Ser tia ou mãe, ser solteira ou casada não cria angústia. Os papéis sociais foram queimados com os rascunhos.A mulher de 40 é a felicidade de não ter sido. É a felicidade daquilo que deixou para trás, daquilo que negou, daquilo que viu que era dispensável, daquilo que percebeu que não trazia esperança.Seu charme vai decorrer mais da sensibilidade do que de suas roupas. O que ilumina sua pele é o amor a si, sua educação, sua expressividade ao falar.A beleza está acrescida de caráter. Do destemor que enfrenta os problemas, da facilidade que sai da crise.A beleza é vaidosa da linguagem, do bom humor. A beleza é vaidosa da inteligência, da gentileza.

Depois dos 40 anos não há depois, é tudo agora.